Novo pedido vista favorece a chapa Ricardo/Lígia

Suspenso mais uma vez, agora com o pedido vista do juiz federal Emiliano Zapata, o adiamento do julgamento do AIJE do “Caso PBPrev” favorece diretamente a chapa Ricardo/Lígia Feliciano na denuncia de abuso do poder econômico na eleições de 2014. A sessão do pleno do TRE foi retomado nesta segunda-feira (24).

Ao contrário da vez anterior, não demorou nem 30 minutos para a suspensão do julgamento. Voltou com o voto da juíza Michellini Jatobá, que acompanhou o relator Romero Marcelo pela improcedência das denúncias, seguido do juiz Breno Wanderley. Ele também optou pela absolvição.

Na sequência, o juiz federal Emiliano Zapata pediu vista e o julgamento foi suspenso. Essa decisão beneficia diretamente o governador Ricardo Coutinho e a vice Lígia Feliciano, mesmo com o parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE) recheado de elementos que comprovam o ilícito. O texto pede a condenação e a inelegibilidade de RC por oito anos.

O único voto, até o presente momento pela condenação, foi dado pelo juiz Marcio Maranhão, ele representante da Ordem dos advogados do Brasil, seccional da Paraíba. O segundo pedido vista favorece os acusados. Você pode estar perguntando por quê? É que a demora na definição aqui, fica cada vez mais difícil se obter êxito no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

É que no caso do processo subir isso somente deverá acontecer quando da publicação do acórdão com o resultado final do julgamento. Ou seja, daqui a dois meses. Com esse tempo todo avalia-se que inviabiliza a apreciação da matéria neste ano, o que somente aconteceria em 2018, muito provavelmente no período eleitoral.

Enquanto isso, Ricardo vai se livrando de outro processo com pedido de cassação do seu mandato, e tudo caminha para um placar folgado por 5 a 1 pela absolvição, sem a necessidade do voto da desembargadora-presidente da Corte Eleitoral, Maria das Graças Morais.