Ex-ministro dos governos Lula e Dilma é preso em Brasília

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quinta-feira (23) o ex-ministro Paulo Bernardo, que compôs o grupo de auxiliares durante os governos do então presidente Lula e da presidente afastada Dilma Rousseff, nos cargos do Planejamento e Comunicações. A ação faz parte da operação “Custo Brasil”, que cumpre 11 mandatos de prisão preventiva e 11 coercitiva.

Bernardo é esposo da senadora Gleisi Hoffmann (PT), defensora do governo afastado na comissão do impeachment. Ela também está sendo investigado de ter recebido em propina R$ 1 milhão. Por isso, também mandatos de busca e apreensão na residência da parlamentar em Curitiba, também na sede do Partido dos Trabalhadores em São Paulo.

Essa operação, em que pese ser um braço da Lava Jato concentrada em Curitiba, ela foi desmembrada para São Paulo. A ação de hoje é do caso da empresa Consiste, que atua na área de informática e é acusada de receber R$ 100 milhões em propina. Foi por causa desse contrato que levou o ex-ministro Bernardo a prisão.