Pedro não revela, mas PSDB deverá optar por Cartaxo

Em entrevista televisiva nesta sexta-feira (22), o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) mostrou-se descrente com a solução da crise que assola o país. Pelo menos, a curto prazo. Ele acha que se o vice-presidente Michel Temer vier assumir, talvez encontre as mesmas dificuldades de hoje.

Para ele, é necessário, “além de diminuir ministérios e enxugar a máquina do governo; é preciso ter um olhar prioritário para a saúde, educação…”. O que o tucano defende mesmo é a realização de novas eleições.

“Não tem outro caminho. A propósito, o PSDB interpôs uma ação de cassação de mandato da chapa (Dilma/Michel Temer) eleita na campanha de 2014. O Tribunal Superior Eleitoral deve estar se debruçando sobre esse recurso ainda neste ano”, comentou.

Como o assunto seguiu com o tema campanha eleitoral, instado a falar sobre as eleições municipais de João Pessoa, também de Campina Grande, os dois principais colégios eleitorais do Estado, o deputado Pedro comentou que “o PSDB decidiu não ter candidato próprio na capital” e que os tucanos seguirão agregados com outro projeto. Adiante, informou sobre duas possibilidades.

Pela ordem, conforme citou, apoiando à reeleição do prefeito Luciano Cartaxo, “sem necessariamente impor a vaga de vice na chapa”, ou a candidatura do deputado Manoel Júnior (PMDB), “com quem tenho conversado muito, porque ocupamos o mesmo ambiente, que é o plenário da Câmara”. Pedro também falou no nome do deputado Wilson Santiago, candidato do PTB a Prefeitura de JP.

Um dos mais votados nas eleições de 2014 em João Pessoa, o deputado Pedro Cunha Lima disse que irá participar da campanha municipal daqui, também que os vereadores Eliza Virgínia, Marcos Vinícius e Luiz Flávio, aliados da gestão de Cartaxo; terão “peso alto” no momento de decidir para onde vai pender o PSDB, se para o lado do atual prefeito, Manoel Júnior ou Wilson Filho.

“Os vereadores serão determinantes, não tenham dúvidas disso e essa decisão sairá em breve”, afirmou. Indagado quando sairia a “fumaça branca” não soube precisar de nas próximas semanas, ou em breve. O certo é que os tucanos devem esticar esse posicionamento para junho, quem sabe.

Porém, a julgar pelo interesse dos vereadores de aliar-se ao prefeito Luciano Cartaxo, então não há mais mistério quanto ao posicionamento dos tucanos. Falta só oficializar.