Cássio: ‘É bofetada na cara, mas governo está nos estertores’

Em meio à turbulência política aguda que engolfou o Brasil, o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB) ocupou a tribuna do plenário, nesta quinta-feira (17), por quase duas horas. Ao pronunciamento do líder, incorporaram-se apartes de senadores de oposição e de parlamentares da base de apoio do governo na Casa. Para Cássio, o que se assiste, nas últimas horas, é o epílogo do governo de Dilma Rousseff.

“Por que chegamos até aqui? Por que o país chegou ao ponto em que nos encontramos? Por uma razão simples: porque ninguém aguenta mais ver tantos desmandos, tantos erros, tantos equívocos, de forma sucessiva, reiterada, repetida; e, sobretudo, ninguém suporta mais a falta de autocrítica do governo, que não tem a humildade de reconhecer os graves erros praticados, pedir desculpas à Nação e se comprometer a não errar mais, a consertar o passo” – explicou o senador.

Bofetada

Na opinião do líder, a crise política chegou ao ápice após a nomeação do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil (cuja posse não aconteceu, porque o juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, do DF, concedeu liminar contra) e a divulgação da conversa telefônica entre Lula e Dilma.

“O que aconteceu nas ruas do Brasil ontem (quarta, 16) não foi um movimento da direita, como alguns querem equivocadamente classificar, mas um movimento espontâneo do povo livre deste país, do povo que não está tutelado pelo governo, do povo que não vive de holerite público, da Nação brasileira, que, livre e de forma independente, foi dizer: ‘Basta! Chega! A gente não aguenta mais! Até que ponto vai o escárnio? Até que ponto vai o desrespeito? Até que ponto vocês vão continuar batendo na nossa cara?’ Estamos chegando ao epílogo deste governo. São os estertores”, afirmou Cássio.

Sanha de poder

Segundo o senador, a presidente aplicou um “autogolpe” e abriu mão do poder ao nomear Lula para ministro-chefe da Casa Civil.

“O que se vê, nos gestos da presidente Dilma Rousseff e do Partido dos Trabalhadores, é uma obsessão pelo poder, é uma sanha de quem não quer largar o osso. Se houvesse um mínimo de patriotismo por parte da presidente, ela teria renunciado ao mandato ontem mesmo, abreviando o sofrimento dessa crise. Mas, não; há a ganância, a sede de poder, a vontade de se manter num cargo, de que ela abdicou, porque ela vai continuar apenas morando temporariamente no Palácio da Alvorada, uma vez que, desde ontem, mesmo com o ato suspenso, ela transferiu o poder ao ex-presidente Lula. Dilma patrocinou algo inusitado na história da política mundial: um autogolpe. Ela autodestituiu o seu governo, o seu mandato, e transformou-se em advogada de defesa do ex-presidente Lula.

Ataque a Moro

Cássio argumentou ainda sobre a gravidade da conversa telefônica entre Dilma e Lula, que foi divulgada nesta quarta-feira (16) pelo juiz federal Sergio Moro:

“A transcrição da conversa entre os dois mostra uma clara e transparente tentativa de obstrução à Justiça. E, ao atacar o juiz Sergio Moro, a presidente ataca a Justiça brasileira. Ela se confronta com o Poder Judiciário de forma visível nessa estratégia desesperada do tudo ou nada”.

Quanto à divulgação da escuta telefônica, o líder tucano afirmou que não a considera ilegal, porque a República exige transparência e publicidade dos atos praticados pelas autoridades.

“A regra da República é a transparência. O sigilo é a exceção, e não foi criado para proteger atos criminosos, sobretudo partindo de autoridades. Não existe para proteger quem quer que seja de atos ilegais. Na República, o povo tem o direito de saber o que as autoridades fazem e o segredo é que é exceção”, sublinhou o senador.

A rua é de todos

Nessa altura do discurso, o senador Lindbergh Farias (PR-RJ) disse que tudo o que acontece é uma “tentativa de golpe da direita no Brasil”. O senador Cássio replicou na hora: “A rua é espaço de todos. Feio é recepcionar Maluf no Palácio. Então, não me importo de encontrar Jair Bolsonaro nas ruas do Brasil, porque isso é da democracia. Constrangedor deve ser encontrar Paulo Maluf no Palácio do Planalto, onde ele estava hoje de manhã, e a presidente Dilma tendo que saudá-lo. Aí, sim, vocês estão juntos, porque é escolha”.

Nocaute

Para Cássio, o governo Dilma parte para o desespero, porque está no “canto do ringue, encostado às cordas, prestes a ir à lona em nocaute dado pelo povo brasileiro”.

“É essa ação desesperada que está muito caracterizada com a reação que teve a presidente da República nas últimas horas, como atacar o juiz Sérgio Moro”, afirmou o senador.

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG) completou o pensamento:

“A presidente abdica das condições mínimas que ainda dispunha de, pelo menos, dizer diretamente ao Congresso que tinha algumas propostas ou alguma agenda. Não, ela não fará isso mais diretamente, porque não será a ela que os agentes políticos irão procurar. O conjunto dessa obra – apenas das últimas horas, e não vou me estender a todas as outras – é uma demonstração clara de que se ultrapassaram, no Brasil, absolutamente todos os limites aceitáveis”, disse o mineiro.