Liderança do ‘blocão’ é pedra no sapato do governo

Os corredores do Palácio da Redenção alardeiam a escolha do próximo líder do “blocão”, formado por partidos da base de sustentação política na Assembleia Legislativa. Existe um acordo em torno do deputado Ricardo Barbosa. No entanto, no meio do “ser” existe um “porém” de dúvidas que sinalizam para não ser o nome da preferência do governador Ricardo Coutinho.

Como se sabe, Barbosa declarou publicamente contrário a criação do TC dos Municípios. Como, então, se comportaria diante da votação dessa matéria no plenário da “Casa” de Epitácio Pessoa? Recomendaria voto contra ou a favor? São questões que colocam uma mosca atrás da orelha dos governistas de carteirinha.

A propósito, será, por exemplo, se a deputada Estela Bezerra aceitará ser liderada por Ricardo Barbosa? O governador pode estar com a batata quente esquentando em suas mãos, orientando seus verdadeiros aliados a colocarem um balde de água fria neste acordo de “cavalheiros” diante do surgimento do  substituto de Buba Germano, que concluiu sua missão.

Pode ser que não aconteça absolutamente nada, pois neste momento é mais racional evitar uma crise, ainda mais em se tratando de Ricardo Barbosa que não perdoaria ser rejeitado, até porque quando proclamou-se próximo líder do bloco agiu pautado pelos acordos feitos lá atrás. Então, parafraseando o técnico Zagalo: “Vocês vão ter que me engolir “.