Estado gastou R$ 700 mi com codificados, comissionados e…

Mesmo valor do penúltimo empréstimo aprovado pelos deputados estaduais numa das últimas sessões de 2015, o Governo do Estado consumiu para pagar servidores não efetivos, também aos prestadores de serviços.  O Tribunal de Contas do Estado, em avaliação preliminar, constatou que saíram dos cofres públicos recursos na ordem de R$ 700 milhões. Essa dinheirama serviu também para o pagamento de codificados, que ficaram bastante conhecidos nos últimos anos.

A informação foi jogada no asfalto pelo presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais da Paraíba, Vitor Hugo (foto). Confirmou a queda da arrecadação do Estado e a diminuição considerável nesta gestão. Neste caso, exige-se o corte de gastos, a exemplo do que fez o prefeito Luciano Cartaxo (PSD). No entanto, conforme o dirigente sindical, “o governo aumentou as despesas com a contratação de servidores pró-tempores”.

Vitor Hugo apimentou a denúncia quando disse que de janeiro a julho do ano passado foram consumidos mais de R$ 329 milhões com servidores não efetivos, cujos dados referentes aos últimos seis meses não foram informados pelo TCE. Afirmou que por não ter sido computados os meses restantes de 2015, a projeção de gastos é na ordem de R$ 700 milhões até dezembro de 2015.

“Só codificados até julho do ano passado, o Estado gastou mais de R$ 16 milhões”, afirmou Vitor Hugo.

Previu para os próximos dias paralisações, protestos e até greve por tempo indeterminado. A situação como bem declarou o secretário da Receita do Estado, Marialvo Laureano, “é gravíssima”, prognosticou.