Efraim diz que CPI concentra investigação na turma do petê

Não está nada fácil a vida do Partido dos Trabalhadores, que está à frente do Poder da República a mais de 12 anos. Os políticos da bancada paraibano, por outro lado, não dão trégua. Destaca-se o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e o deputado federal Efraim Filho (DEM), este presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão.

Os trabalhos da comissão se estende a outra fase das investigações, que envolve a participação de petistas em “negócios fraudulentos”, contado assim pela Grande Imprensa. Concentra-se a apuração de malfeitos em três empresas públicas: Petros, Postallis e Funcef, funções ocupadas por gente indicada pelo Partido dos Trabalhadores, “todos filiados ao PT”, sustenta o deputado Efraim Filho.

A denúncia dá conta de que o petê aparelhou fundos de pensão, também infiltrou muitos dos seus militantes em conselhos de administração de empresas privadas. Falam em mais de 300 petistas que recebem gordos jetons em conselhos de administração de empresas privadas onde investiram.

Lembrando: o presidente da CPI é Efraim Filho e não o deputado federal Hugo Motta (PMDB), aquele que presidiu a da Petrobras e acabou em “pizza”.