Adriano: ‘há conversas com o PMDB, mas fechar questão não’

O PSB ainda não bateu o martelo, mas será chamado a fazê-lo. A notícia de que Adriano Galdino – que é presidente da Assembleia Legislativa – gostou da idéia do estrelado da campanha eleitoral de Campina Grande, em 2016, bateu à porta do Palácio da Redenção. Junto com a novidade veio a incontornável pergunta: como fica o compromisso com a candidatura (pré) de Veneziano Vital (PMDB)? Certamente a resposta seria: “vamos ter que encontrar uma solução”.

Mas a solução dos socialistas já está nas ruas e não é de hoje, pois Adriano Galdino gostou da idéia de dividir a chapa da campanha no segundo maior colégio eleitoral paraibano com Ana Cláudia, esposa de Veneziano. O problema é que ninguém combinou nada ainda com o “V”, que pretende disputar à sucessão campinense e, depois, viabilizar o nome para suceder o governador Ricardo Coutinho no pleito de 2018.

Ao comentar declarações de Veneziano (leia matéria abaixo) afirmando que “eu fui escolhido por eles: Ricardo (Coutinho), Adriano (Galdino) e Fábio (Maia)” e que “estou numa fase mais à frente”, o presidente da Assembleia e pré-candidato a prefeito de Campina Grande cuidou de desqualificar o pronunciado do parlamentar de que “não há nada definido”.

Adiantou: “o PSB não fechou questão neste particular. Há sim uma tendência, há sim conversas neste sentido, mas fechar questão não. Vamos dialogar bastante, porque o PMDB precisa entender que essa coligação passará por outras cidades da Paraíba, inclusive por João Pessoa”.

Ou seja, se o PMDB não retirar imediatamente a proposta de candidatura própria na Capital, o PSB avançará com o nome de Adriano Galdino em Campina Grande. Aí, o presidente da Assembleia correrá para a platéia e comemorar o gol de placar desejado. A estratégia será a saída de Ana Cláudia do PMDB e abrigar sua filiação partidária em outro partido. Assim, ela poderia ser escolhida para vice numa possível chapa com os socialistas.

Política é feita com o fígado. Alguém tem dúvidas?