Juíza eleitoral determina: sai, Pollyanna, sai

Para a felicidade da população de Pombal, a juíza Isabelle Braga Guimarães de Melo, determinou o afastamento imediato do cargo da prefeita Pollyanna Dutra (PT), também eleições indiretas. É o que está posto no parecer. Enquanto isso, assume os destinos do município o presidente do Poder Legislativo da cidade, conforme ordenou a magistrada.

Pollyanna está cassada por abuso de poder político e econômico durante as eleições de 2012. Além da punição com a perda do mandato, ela leva pra uma multa de R$ 10 mil e poderá ficar inelegível por oito anos, caso a condenação seja confirmada pelo colegiado da Justiça Eleitoral do Estado.

Também o vice-prefeito Geraldo Arnaud de Assis Júnior (PSDB) recebeu a mesma punição: afastamento do cargo e pagamento de multa na ordem de R$ 10 mil. A ação foi proposta por Mayenne Van Bandeira (PMDB), que concorreu a prefeitura contra Pollyanna em 2012 e a acusa de promover contratações irregulares no período vedado pela legislação eleitoral em vigor.

O que diz a sentença: “Verifica-se que grande parte das contratações em período vedado não encontram justificativas plausíveis, não se enquadrando na exceção prevista no citado art. 73, V, alínea “d” da Lei das Eleições, valendo mencionar que há nos autos extrato do Diário Oficial dos Municípios do Estado da Paraíba e extratos do Sagres que comprovam que a Prefeitura de Pombal, contratou, em período vedado, operários, agentes administrativos, auxiliar de serviços gerais, agente de limpeza urbana, entre outros”, diz a sentença.

Mesmo com atraso, fez-se justiça.