É no grito: ‘Quem manda aqui sou eu’, diz Motta

Presidente da CPI da Petrobras, o deputado federal paraibano Hugo Motta (PMDB) está conduzindo os trabalhos de investigação do maior escândalo do País no grito, com punhos de ferro. Se irrita com tudo, menos com os ratos que foram jogados na sala das sessões durante o depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, cujas acusações estão em todas as partes.

Motta se irritou quando parlamentares da base do governo tentaram interromper a fala do deputado Waldir Soares (PSDB-GO), que fazia duras declarações contra Lula, Dilma e o PT, classificando Vaccari – o tesoureiro petista – de “ladrão mais declarado do país”. O parlamentar goiano disse mais: “existe um cursinho no PT para ensinar roubar”.

Hugo Motta permitiu que o parlamentar tucano continuasse falando, apesar dos protestos dos deputados do Partido dos Trabalhadores, que passaram a criticar o presidente da CPI exigindo, principalmente, que cortasse a fala do deputado Waldir Soares.

Sabe que o deputado Hugo Motta fez: deu um murro da mesa e fez valer a sua autoridade de presidente da CPI da Petrobras. “Enquanto eu for presidente, quem manda aqui sou eu”.

Até os ratos se esconderam.