Contaminação do PMDB não pega em Maranhão

Com boa parte do PMDB contaminado pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, o senador José Maranhão – presidente do Pemedebê Estadual – poderá conquistar sem que venha fazer qualquer esforço a presidência da Comissão de Constituição e Justiça, a mais importante do Senado, por onde tramitam todas as propostas de leis.

Maranhão deverá sentar na cadeira onde antes era ocupada pelo então senador Vital do Rêgo Filho, antes de se transformar em ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). A informação sobre um possível aproveitamento de JM na CCJ ganhou o asfalto através de uma nota veiculada na coluna do jornalista Ilimar Franco, do Jornal O Globo.

Dos peemedebistas do colegiado do Senado, Maranhão é o “mais limpo”, embora se descobriu que ele teria recebido de duas empresas envolvidas no escândalo de corrupção da Petrobras doações para sua campanha ao Senado. A propósito, confirmada pelo deputado federal-presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB), que também recebeu e justificou que tinha recebido doações do seu partido nacional e estadual.