Tucanos sofrem com a crise gerada internamente

A possível saída do senador Cícero Lucena e a ameaça do prefeito Romero Rodrigues estão deixando o PSDB em alerta “máxima”. Internamente, há quem avalie que a solução para unificar o partido, depois do fracasso nas eleições passadas: voltar a presidência para as mãos de Lucena e garantir a Rodrigues o direito de concorrer à reeleição.

Resta saber, o seguinte: Cícero aceita? Romero já acertou sua ida para recriado PL de Kassab? O fato é que os tucanos estão mergulhados numa crise e deverá continuar perdendo quadros para outros partidos. Recentemente, o prefeito Zenóbio Toscano, de Guarabira, embora não tem declarado com todas as letras maiúsculas, também sinalizou descontentamento.

A saída é repensar o partido. Uma das soluções imediatas é devolvê-lo para as mãos do Cícero. A dúvida é saber se ele aceita. Isso as lideranças (leia-se o senador Cássio Cunha Lima) não sabem responder, até porque não há ambiente para conversas neste sentido. Tudo, como se sabe, reflexos da decisão de refugar a recandidatura de Lucena ao Senado.

É possível dar a presidência do partido a Cícero? Há quem diga ser inegociável e que Ruy Carneiro, o atual presidente, é que deverá permanecer à frente do comando do PSDB da Paraíba, até porque a partir de 1º de fevereiro ele não terá mais o mandato de deputado federal. Cícero o de senador da República. Porém, tenta-se evitar a debandada da tucanada paraibana.

O prefeito Romero Rodrigues, segundo informa-se, já está de malas prontas para desembarcar do ninho. Dizem que se juntará a base do governo federal num outro partido, o PL que o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, está recriando. Romero tem o apoio do deputado federal Rômulo Gouveia (PSD), então vice-governador do Estado.

Entregar o leme a Cícero é a certeza de que a defecção será menor. Talvez, Romero venha mudar de idéia de trocar o PSDB por outro partido. Por outro lado, a estratégia é uma tentativa de estreitar a inimizade daqueles que não deixaram Lucena concorrer à reeleição. Não houve ainda conversas para unificar o PSDB, que está sem rumo após a derrota nas eleições passadas.

Na versão difundida pelos tucanos, existe a concordância no desejo do PSDB voltar a ser poder. Por isso, trabalham cedo para lançar candidatos fortes nas eleições municipais de João Pessoa e Campina Grande, os dois principais colégios eleitorais da Paraíba.

Curiosamente, o senador Cássio Cunha Lima não veio a pública dizer se tem interesse de permanecer, ou não, no PSDB.

Assim, não se chegará a lugar nenhum.