Governador sinaliza para aliados que não tem cargos para todo mundo

Indiretamente, o governador Ricardo Coutinho (PSB) mandou um recado para os aliados antigos e novos aliados. A anunciada redução da máquina administrativa significa menos cargos. Ou seja, não era isso que os partidos governistas queriam ouvir. A promessa de “loteamento” dos postos feita durante negociações durante o período da campanha não passou disso.

Na manhã desta segunda (22), em entrevista coletiva, o governador apelou para a compreensão dos aliados. O Estado está “quebrado”. Era esperado por isso, depois de uma campanha eleitoral abastarda, onde não faltou absolutamente nada para quem fez alguma exigência. E não foram poucas.

Ao se referir aos parceiros – antigos e novos -, RC proclamou: “Os parceiros sabem a gravidade do que está acontecendo no País. Não é possível imaginar que a Paraíba seja uma ilha, tenha dinheiro inesgotável. O País está num momento delicado de sua economia…”.

“… A Paraíba se ressente dessa realidade também e, obviamente, a nossa base política sabe disso, porque estamos acompanhando tudo”.

Mais de 300 cargos foram extintos com as medidas. Ou seja, prepara-se que vai haver demissão de ocupantes de postos comissionados e terceirizados. A propósito, situação emblemática a do ex-senador Efraim Morais (DEM), cuja pasta de Infraestrutura será extinta.

Cargos mesmo só quando janeiro chegar por causa das negociações para as eleições da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, prevista para 1º de fevereiro.

É só aguardar.