SEM ACORDO: Anunciada greve dos trabalhadores da Cagepa

Como se sabe, a guerra dos trabalhadores contra o capital por melhorias salariais é antiga. É velha mesmo. Inclusive a letra de uma música de Ary Barroso, cantada no final da década de 40; é a cópia inscrita do dia-a-dia de quem pega pesado no serviço.

Assim cantava o mestre Ary Barroso: “Trabalho como um louco/Mas ganho muito pouco/Por isso eu vivo/Sempre atrapalhado/Fazendo Faxina/Comendo no china/Ta faltando um zero/no meu ordenado.”

Na luta por um reajuste estão os servidores da Companhia de Água e Esgoto da Paraíba – Cagepa -, cujos cofres estão cheios, cheinhos, esperando mais R$ 150 milhões do empréstimo solicitado pelo governo “socialista”. Na empresa, existe dinheiro pra tudo. Menos para atender reivindicações justas dos trabalhadores.

Pois bem, anuncia-se uma greve por tempo indeterminado em todo Estado a partir desta quarta (10). O movimento já foi comunicado pela diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas na Paraíba (STIUPB), “cumprindo o que determina a Lei 7.783, de 28 de junho de 1989”.

Os trabalhadores estão cumprindo todas as etapas para evitar uma paralisação geral dos serviços da Cagepa. Começou a partir de abril, quando o Sindicado informou sobre o cumprimento da data base das categorias, 1º de maio. Numa mesa redonda, ocorrida na semana passada, foi feita uma proposta.

Eis a proposta: 9% de reajuste e recomposição salarial, além de 17,93% de reajuste nos ticket alimentação, tudo com retroativo a 1º de maio. Os trabalhadores reivindicam, também: cancelamento do reajuste de 6,35% no plano de saúde e já repassado para os trabalhadores (as).

Veja agora a desanimadora proposta da diretoria da Cagepa: 5% de reajuste, dividido em cinco parcelas de 1% ao mês e 5% de reajuste nos ticket alimentação, ainda por cima dividido em duas parcelas de 2,5%. Pior: sem retroativo. A proposta do governo, claro, foi rejeitada de pronto.

Para não dizer que o Sindicato está sendo radical quando houver o movimento, a entidade solicitou uma mesa redonda para o dia 12, na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, em João Pessoa. Mostra que a condução das negociações, pelo menos da parte do SITUPB, segue dentro de um nível de absoluta cordialidade.

OBS: Parte do texto inserido no blog foi retirada do portal do Sindicado dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas na Paraíba.


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe uma respostaCancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.