A Paraíba ganha o “bronze” nas “olimpíadas” da violência no Brasil

estadao

O governo “socialista” desdenha de você quando divulga os próprios índices da violência no Estado. Sempre que isso ocorrer proteste, encham as ruas e vá com o seu cartaz para as manifestações mostrar sua indignação. A Paraíba não é um paraíso, conforme tem sido propalado. A coisa é séria, muito séria.

Se não vejamos: em sua edição deste sábado (6), o Estadão estampa em manchete o seguinte: “Epidemia de homicídios avança na Paraíba”. Ressalta – o que é mais preocupante – que o Estado já é o “3º mais violento do Brasil”, com a taxa de homicídio numa crescente de 55% em três anos.

Revela que “os números foram compilados pelo Estadão Dados, com base no DataSus”.

A reportagem no Estadão é assinada pelo jornalista Bruno Paes Manso, que esteve em João Pessoa esta semana como enviado especial do jornal. Conferiu os números e, num trabalho brilhante, jogou no meio-fio para que você tenha uma idéia da verdade sobre o índice de violência na Paraíba.

Os indicadores são basicamente aqueles anunciados anteriormente pela CNN Internacional, tendo como base levantamento de uma ONG mexicana, colocando a região metropolitana de João Pessoa como a décima mais violenta do mundo. Pense numa repercussão, que deixou as autoridades paraibanas com dor de cabeça até hoje.

Não causa surpresa a informação de ontem, hoje… Isto porque em 2012, conforme dados do Ministério da Justiça e da Saúde, já conferiam a Paraíba como quarto mais violento do Brasil. Agora, como os números atualizados, o Estado passa para terceiro no ranking da violência.

A Paraíba está posicionada atrás de Alagoas e Espírito Santo, mas supera estados como Bahia e Pernambuco, cuja média populacional está bem acima do Estado.

Somos “medalha de bronze” no ranking da violência no Brasil.

 

 


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.