O entre mortos e feridos de hoje escaparam todos

Ninguém descobriu o porque do clima tenso dominou os trabalhos legislativos da manhã desta quarta-feira (20). Uma coisa é certo: só não foi por causa do jogo Grêmio x Botafogo-RJ pela Libertadores nesta noite, em Porto Alegre.

Também não tem a ver com a polêmica discussão sobre a volta do racionamento de água em Campina Grande, decretada pela Justiça Federal. Mas o que fez o deputado Bruno Cunha Lima (PSDB) se indispor com o presidente Gervásio Maia (PSB)?

E o que dizer do embate Trócolli Júnior (PROS) e Ricardo Barbosa (PSB), dois reconhecidamente temperamentais além da conta? Sobrou até uma frase que é o mesmo que chamar pra briga: “Eu topo qualquer coisa”.

Barbosa “eu todo qualquer coisa” chamou Trócolli de descortês, que afirmou ser “até mais educado”. Faltou o via de fatos, que não aconteceu por causa da interferência do presidente Gervásio.

Na briga de botequim surgiu quem batesse o pino primeiro: “Eu gostaria muito que o deputado Ricardo Barbosa retirasse o termo descortesia em nome de uma convivência saudável”. Porém, acompanhado de uma ameaça:

“Os nervos estão bem curtinhos para a gente não aguentar provocações”, arrematou Trócolli.