Projeto que pune quem frauda pesquisa chama atenção

Entre os projetos importantes do senador Raimundo Lira (PMDB) um tem chamado a atenção, ganho repercussão nacional, inclusive. É o que promete punir com rigor quem fraudar pesquisas eleitorais. Já em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a matéria tem merecido destaque dentre os demais parlamentares com acento no Senado Federal.

De acordo com o texto do projeto, prevê punição de seis meses a um ano de detenção e multa de 100 mil UFIRs os responsáveis por fraudar as pesquisas eleitorais. Qual a lógica? Existem empresas que vendem pesquisas e que adulteram os resultados para beneficiar outras pessoas e alterar a lógica da disputa apresentando uma realidade falseada.

Para Lira, “isso não deve acontecer porque a fraude em uma pesquisa é um crime contra a democracia, pois o individuo está fraudando a manifestação popular, que é o que alimenta a democracia”. Neste aspecto, o senador paraibano está certo.

No entender o senador, “é fundamental que os proprietários destes institutos saibam que a fraude poderá ser punida de forma rigorosa.” Pelo texto do projeto responderão pela fraude a empresa contratada e quem contratou a pesquisa, se ficar comprovado que o contratante tinha conhecimento da fraude.