Faltou insulina; eu sei o que é isso e o que representa

Não é mera coincidência, mas o signatário do blog já passou pela mesma situação dos pacientes portadores de diabetes que reclamam a falta de insulina, medicamente distribuído nos postos da Secretaria Estadual de Saúde. Nesta terça-feira (18), o assunto ganhou destaque no noticiário nacional e, mais uma vez, lá estava a Paraíba nas páginas do portal UOL, um dos maiores do País.

Na época, eu pegava a insulina para a minha Santa Mãe, que não está mais aqui conosco. Dava voltas e voltas pelo setor distribuição, que fica localizado bem ali na proximidades do Hospital Napoleão Laureano. Sorte minha que Deus me deu a condição de comprar a insulina “Lantus”. Pelo menos, até o Estado regularizar a situação.

Mas seu José, lá de Itabaiana, não tinha a mesma sorte. Dona Maria, também não. Ela vinha de Santa Rita a pé até o posto de distribuição. Chegando lá: “E aí, tem hoje?”. A resposta era a mesma da semana anterior: “Ainda não!”. E Dona Maria voltava pra casa. Pelo menos da vez que a encontrei não voltou a pé pra casa, pois dei-lhe o dinheiro da passagem.

E seu José, aquele senhor de Itabaiana? Bem, seu José chegava sempre atrasado e, quando tinha a sorte de pegar uma ficha, era atendido. Quando não! “Volte amanhã. A insulina acabou”. Azar dele e sorte de quem estava com a ficha na mão, porque tinha a certeza de levar o medicamente.

Mas, enfim, são apenas duas histórias narradas aqui presenciada e atestada por esse repórter. E quando vi a reportagem, lembrei-me de minha Mãezinha e as condições que Deus me deu de comprar a Lantus, a insulina que sempre falta no setor de distribuição de medicamentos do Estado.