Veneziano está na iminência de sofrer nova eliminação

Eliminado da sucessão eleitoral de Campina Grande nas eleições de 2016, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) parece mais perdido do que nunca. Aliou-se ao PSB que lhe deu às contas na campanha municipal e, agora, investe contra o seu próprio partido como se fosse o principal responsável pela sua derrota.

Vené criticou a confraternização peemedebista por ter levado para o ambiente festivo o senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Faltou com a inverdade quando afirmou não ter sido convidado, imediatamente desmentido pelo senador José Maranhão. Ou seja, sem o seu braço direito o irmão Vital do Rêgo, hoje ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), mostra que perdeu completamente o rumo.

Plantou, veja você, a nomeação da esposa Ana Cláudia na Secretaria Executiva da Casa Civil, sabendo que ela terá pouquíssimo espaço para fazer alguma coisa em prol de sua possível recandidatura a deputado federal, único mandato que lhe resta ao seu futuro político, mesmo não gostando do legislativo. Mas fazer o quê?

Da mesma forma de sua eliminação pelos socialistas na disputa eleitoral de Campina Grande ano passado, Veneziano será excluído no momento das definições do grupo para a competição eleitoral de 2018. Afinal de contas, o PSB tem seus dois nomes para concorrer as vagas na Câmara Federal, a hoje deputado estadual Estela Bezerra e o eterno candidato Edvaldo Rosas.

Para Veneziano, a alternativa que resta é seguir no PMDB e tentar se engajar a um novo projeto como se tivesse começando a carreira política. É o que resta.