Operadoras corre da CPI de João como diabo da cruz

Com receio de uma investigação parlamentar de inquérito se transformar numa Operação Lava Jato – guardando as devidas proporções -, as operadoras de telefonia móvel estão recorrendo a Assembleia Legislativa na busca de formalizar uma TAC – Termo de Ajustamento de Conduta. Prometem investir no sistema melhoria do serviço, depois de esgotadas as tentativas de bloquear o trabalho da CPI no âmbito do Poder Judiciário.

Com ameaças de prisão dos seus dirigentes, as operadoras estão recorrendo ao Ajustamento de Conduto. A Comissão Parlamentar de Inquérito, comandada pelo deputado João Gonçalves (PDT), agradece. “Bem, é a maior demonstração que o nosso trabalho está surtindo efeito”, comentou o parlamentar. Nesta terça-feira (30), a Vivo se rendeu as investigações. A Tim já tinha se ajoelhado na semana passada.

“Conseguimos fechar agora com a Vivo, que se propõe a mais investimentos em sua infraestrutura em benefício dos paraibanos, com a expansão do seu sinal na Paraíba. Até o final do ano, a empresa garante levar o sinal a mais de 19 cidades paraibano”, enfatizou João.

A CPI não dorme no ponto e já está com suas atividades prorrogadas por mais de 120 dias. Ou seja, busca agora recuperar o dinheiro da sonegação fiscal de décadas. Ou seja, vem mais novidades por aí.