PSD teme que adversários tentem fabricar ‘fato novo’

Em privado, discute-se o chamado “fato novo” para mudar o cenário da campanha em João Pessoa. Surgiu depois da noticiada pesquisa do Instituto Ibope, encomendada pela TV Cabo Branco. Foi a expressão mais repetida no ambiente da coligação da candidata Cida Ramos (PSB). Apesar do desempenho surpreendente de 23%, o comitê acredita em números ainda mais favoráveis.

As duas trincheiras compartilham uma mesma percepção. Ou seja, a de que só um “fato novo” poderá levar uma alteração no ambiente eleitoral, pois o cenário mais preocupante dos adversários é o desempenho do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), candidato à reeleição, nos três quesitos que mais influenciam o eleitor. Quais sejam: intenções de voto (52%), avaliação do governo (boa) e rejeição (menor).

Disseminou-se entre os socialistas de que é necessário insistir nas denúncias dos gastos com as obras do Parque Sólon de Lucena, Lagoa, associando-as ao prefeito reeleitoral. O comitê dele está atento a movimentação e pronto para contra-atacar a despeito de qualquer insinuação.

O marketing da campanha à reeleição do prefeito Luciano Cartaxo avalia que não são negligenciáveis as chances de que, no desespero, os adversários tentem “fabricar” o chamado “fato novo”. A propósito, existente em todas as campanhas eleitorais e não seria diferente a deste ano em João Pessoa, até por causa da polarização existente entre os grupos políticos inseridos na disputa.

É bom lembrar que, mesmo numa faixa intermediária, os candidatos Charliton Machado (PT) e Victor Hugo (Psol) estão prontos e ávidos a irem para o confronto com os nomes mais bem pontuados, sobretudo o petista que não quer perder o prefeito de vista em momento algum da campanha. Com um discurso na ponta da língua, não quer deixar passar em branco os investimentos do governo do seu partido na Capital.

A estratégia, portanto, a eventuais manobras, será reagir com o famoso “desespero de um perdedor”.