Dilma também cometeu pedaladas em 2015, diz TCU

Em João Pessoa, a presidente afastada Dilma Rousseff insistiu na tese de “golpe”. Foi ovacionada. Por outro lado, em Brasília, o Tribunal de Contas da União (TCU) expõe a hipótese de rejeição, mais uma vez, das contas do exercício financeiro de 2015 dela. A decisão que deveria ter ocorrido nesta quarta-feira (15), acabou sendo transferido para 16 de julho. É consenso pela bi-reprovação.

O governo Dilma cometeu novas pedaladas, conforme observaram os técnicos do TCU. Deu-se por meio de atraso em repasse obrigatórios para o Banco do Brasil e BNDES. Coincidência ou não, as mesmas irregularidades cometidas nas contas de 2014, que pode provocar o impeachment em definitivo da presidente afastada do poder.

Sob Dilma há acusação de fazer suplementações por decreto por sete vezes, outra vez usurpando prerrogativa exclusive do Congresso. No caso das contas do exercício financeiro de 2015, os técnicos do Tribunal de Contas da União avaliam a existência de cerca de 23 irregularidades.