Lira é a Paraíba na comissão do impeachment no Senado

Repercussão melhor não poderia existir e a indicação do senador Raimundo Lira (PMDB) para presidir a comissão do impeachment da presidente Dilma Rousseff, no Senado, coloca a Paraíba numa posição de vanguarda no cenário político nacional. Sem qualquer macula, ou envolvimento em Lava Jato ou qualquer outra mazela, o partido do vice-presidente Michel Temer dá a comissão um ambiente de absoluta isenção no trabalho a ser comandado pelo paraibano.

O nome de Lira caiu feito uma luva como expôs o senador Eunício Oliveiro, responsável pelo convite feito no final da manhã desta quarta-feira (20). O senador da Paraíba se reservou no direito de não dar nenhuma informação neste momento, o que mostra a sua capacidade de visão para a complexidade deste pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Líder do PMDB, maior bloco partidário do Senado, Eunício chamou Raimundo Lira em seu gabinete para a formalização do convite e rasgou elogios ao colega de bancada com adjetivos do tamanho político representado pelo senador paraibano. “Perfil moderado”, com experiência política. E ressaltou: “Lira tem um bom relacionamento com os colegas de bancada”.

Como se sabe, Raimundo Lira esteve no mandato de senador constituinte entre os anos de 1987-1995. Ele já presidiu a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) em pelo menos três ocasiões, tendo sido, inclusive um dos fundadores; também comandou a Comissão Mista de Orçamento.

Agora, neste novo mandato, relatou no Senado a proposta que permitiu a troca de partidos de detentores de mandado eletivo durante 30 dias sem serem punidos, batizado de “janela”.