Cerveró pede desculpas e chora perante Sérgio Moro

Desta vez o encrencado Nestor Cerveró tremeu quando esteve frente a frente do juiz federal Sérgio Moro, que coordena a maior investigação sobre corrupção com dinheiro público no país. Cerveró esteve na Justiça Federal de Paraná em deleção premiada na ação referente a vigésima primeira etapa da operação Lava Jato, batizada de Passe Livre.

Preso desde do ano no Complexo Médio-Penal em Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, Cerveró chorou quando falou dos riscos que o filho Bernardo correu quando fez a gravação da conversa com o senador Delcídio Amaral. Cerveró pediu desculpas por não ter falado a verdade durante em dois momentos em que esteve conversando com o juiz Sérgio Moro.

Desde vez ele resolveu abrir o jogo e disse que “foi colocado na BR Distribuidora, por conta do que ele fez agora, em relação ao empréstimo que era garantido pelo senhor Bumlai e o ex-presidente Lula teve reconhecimento de que ele fez uma coisa favorável para o partido e por isso ele foi transferido para a BR Distribuidora”, afirmou Brandão.

Neste processo sobre a delação premiação de Cerveró respondem junto com ele o pecuarista José Carlos Bumlai, ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o acionista do Grupo Schahin Salim Schahin, além de outros cinco investigados.

Segundo a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) Cerveró se beneficiou do esquema de fraude, desvio de dinheiro e corrupção, com o recebimento de propinas milionárias graças a diferentes contratos da Petrobras, além da compra da refinaria de Pasadena, no Texas EUA.

Blog\Diário do Poder