Mesmo isolado, Veneziano mostra fidelidade ao PMDB

Há dois meses atrás, quando conversou com o governador Ricardo Coutinho, o deputado Veneziano Vital já tinha agradecido o convite para ingressar no PSB. O presidente do partido Edvaldo Rosas também fez pressão para levar o peemedebista para a agremiação e, por último, o recém chegado a legenda socialista e deputado Gervásio Maia aconselhou o cabeludo a se afastar do PMDB.

Veneziano pode até sobrar na curva em se mantendo aonde está, mas pior seria transferir-se para o PSB, cujo partido já tem um pré-candidato a prefeito de Campina Grande e pela pujança demonstrada pelo presidente da Assembleia, Adriano Galdino, não desistirá de participar do processo eleitoral deste ano no segundo maior colégio eleitoral do Estado.

O que preocupa Veneziano é a pré-candidatura de Manoel Júnior, seu colega de partido e da bancada paraibana de Brasília. É que o PMDB, a preço de hoje, deverá se unir ao PSDB do senador Cássio Cunha Lima na campanha de João Pessoa e coloca por terra o discurso de “Vené” em Campina Grande, cuja estratégia é polarizar a disputa com o prefeito reeleitoral Romero Rodrigues.

Ou seja, o pré-candidato peemedebista Veneziano Vital não tem como desvincular da disputa em João Pessoa. Então, ele está naquela de “se correr o bicho, se ficar o bicho come…”. O fato é que não existe alternativa para quem já esteve com o pé dentro do PSB, antes do lançamento da pré-candidatura de Adriano Galdino.