E agora? Acabou o dinheiro para pagamento no mês trabalhado

Reunido na manhã desta segunda (11) com a equipe econômica do seu governo, Ricardo Coutinho era só preocupação. Acabou o dinheiro! A notícia sobre a queda do Fundo de Participação dos Estados (FPM) nos primeiros dias de 2016, ano das eleições municipais, não foi nada animador para quem manteve o controle financeiro até dezembro passado.

Acostumado a cumprir os compromissos com o servidor, inclusive pagando no mês trabalhado, assim como fizeram os antecessores, a situação de janeiro poderá levar os servidores aos caixas eletrônicos em fevereiro e não janeiro. O aumento do salário-mínimo de 11,57% implicará um custo adicional na folha de R$ 6,5 milhões\mês.

“Não tem investimentos numa situação tão grave”, expôs o problema o secretário da Receita Estadual, Marialvo Laureano, durante entrevista na TV Arapuan. O piso nacional dos professores também está ameaçado. Sobe-se que os governadores, inclusive Ricardo, vai apelar a presidente Dilma Rousseff a transferência do anúncio.

Nesta segunda (11), o Fórum dos Servidores Públicos da Paraíba – congrega várias categorias do funcionalismo estadual – protocolou um pedido de audiência com o governador. Decerto, tão cedo receberá a resposta quando acontecerá o encontro. O FPM caiu 40% em comparação a janeiro de 2014, cujo valor foi de R$ 150 milhões. Neste ano, desembarcou nos cofres estaduais R$ 93 milhões.

A situação é tão difícil que cabeças podem rolar. Anotem!