PPS dá sinais mais claros de coligação com socialistas

Pré-candidato do PSB a Prefeitura de João Pessoa em 2016, João Azevedo almoçou com o vice-prefeito Nonato Bandeira – presidente estadual do PPS – na semana passada. Fizeram questão de pousar para fotografias e gerar o fato político. Encontram-se num restaurante da cidade. Azevedo, parte mais interessada em fazer a propaganda do “casual” encontro teria proclamado o seguinte: “Há interesse da parte do PSB”.

Tudo caminha para o partido de Nonato se coligar a pré-candidatura do socialista João Azevedo. Precisando apenas combinar com outros personagens dessa história. Vem a ser os vereadores Bruno Farias e Marco Antônio, ambos aliados do senador Cássio Cunha Lima, cujo partido, PSDB, também tem pretensões de bater à porta da Prefeitura com um nome próprio.

Agora, embora Nonato revele simpatia no retorno ao convívio do governador Ricardo Coutinho, no PSB tem gente que torce o nariz para ele. Trata-se do deputado Buba Germano e sua esposa a ex-deputada Gilma Germano. A menos que tenham esquecido o passado. Sabedor disso, RC já enviou emissários, ou “bombeiros”, como queiram, para apagar o fogo da discórdia.

O martelo do PPS deverá ser batido em janeiro próximo, num congresso que o partido deverá fazer para celebrar uma decisão que está mais focada na coligação com a pré-candidatura de Azevedo. O partido de Nonato vai propor um bloco de oposição para chegar até a sede do PSB. Porém, por uma questão de comunidade, ao Palácio da Redenção.

Se tudo dê certo e Nonato conseguir unificar o partido, será o indicio de que levará vantagem sobre os vereadores Bruno Farias e Marco Antônio. Também sobre Buba e Dilma.