Quem é mais imbecil, nós contribuintes ou deputados da CPI?

O texto começa assim: “É dura a vida do brasileiro em dia com suas obrigações tributarias…”. E segue com uma série de palavras que mostra a realidade em que o País vive atualmente, com o cidadão não tendo, sequer, o direito de se indignar. O escrito está inserido no blog do Josias (de Sousa) e faz alusão ao trabalho que, diga-se, não deu em absolutamente nada da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, comandada durante oito meses pelo deputado paraibano Hugo Motta (PMDB), chamado de queridinho de Eduardo Cunha (PMDB)-RJ), presidente da Câmara Federal.

Então, se gostou do inicio, continue com a leitura abaixo:

“É dura a vida do brasileiro em dia com suas obrigações tributárias. Sob Lula e Dilma, estruturou-se na Petrobras um bilionário sistema de pilhagem. O assalto é estimado em cerca de R$ 20 bilhões. E o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), relator da CPI da Petrobras, decidiu tratar o contribuinte como imbecil.

Luiz Sérgio apresentou na noite desta segunda-feira seu relatório final. Nele, culpou os empreiteiros e os maus servidores pelo assalto, livrou a cara dos políticos e concluiu que não houve “corrupção institucionalizada” na Petrobras.

“A mais importante conclusão dessa CPI é que a Petrobras foi vítima de um cartel de maus fornecedores”, anotou o relator. Absteve-se de mencionar que o Planalto loteou as diretorias da maior estatal do país entre partidos aliados, dando-lhes salvo-conduto para roubar.

Como se fosse pouco, Luiz Sérgio criticou a força-tarefa da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro pelo “excesso de delações premiadas.” Sugeriu que a lei que trata do tema, sancionada por Dilma, seja alterada para impedir que réus presos se convertam em delatores. Se essa regra já estivesse em vigor, não haveria Lava Jato.

Não é só: o relator tentou tapar com sua peneira a luminosa evidência de que um pedaço das propinas extraídas da Petrobras virou doação oficial de campanha, registada na Justiça Eleitoral pelos partidos e seus candidatos. Para Luiz Sérgio, as conclusões da Polícia Federal e da Procuradoria sobre essa matéria seriam “superficiais”, porque desconsideram o fato de as empreiteiras terem doado dinheiro para candidatos de vários partidos, entre eles PT e PSDB.”

Observação: Na foto que acompanha o texto, veja a empáfia do deputado Hugo Motto, da bancada paraibana. De barba, ele aparece ao meio no comando dos trabalhos da CPI da Petrobras, uma pizza pra lá de encomendada, bem ao gosto de Eduardo Cunha.