PSDB e PSB ‘fecham’ um acordo de cima para baixo

O PSDB do senador Cássio Cunha Lima e o PSB do governador Ricardo Coutinho devem caminhar juntos politicamente. Pelo menos em nível nacional. É o assunto principal que a mídia nacional vem dando a devida atenção nesta segunda (28), última semana de setembro. Diz o noticiário que o “acordo está selado a dias”. Não se sabe como os dois maiores lideres desses partidos na Paraíba passarão a se atender a partir de agora.

Ex-bons aliados, Cássio e Ricardo travam uma batalha na guerra dos adjetivos entre eles. É “bala perdida” para tudo o que é lado. Recentemente, o tucano disse que “Ricardo me ofereceu dinheiro para eu não ser candidato em 2014”. RC retribuiu a insinuação afirmando que “não dou dinheiro a vagabundo”, se referindo a Cássio.

Pois bem. Os partidos deles teriam fechado um acordo desde a campanha passada, quando o presidenciável Eduardo Campos ainda era vivo. Veja como ficou, segundo a mídia nacional: “Aécio será o candidato à Presidência e o PSB indicará o candidato a vice na mesma chapa.” Diz mais: “Estão cotados para a vaga a viúva de Campos, Renata, e o governador de Pernambuco, Paulo Câmara.

O que rola acerca do assunto acima, você lê abaixo:

“Para tucanos, uma possível saída de Dilma não muda as negociações com o PSB: se Temer virar presidente, o PMDB terá candidato próprio.”

“O PSB define no próximo dia 15, na reunião da Executiva Nacional, o posicionamento oficial de oposição ao governo Dilma Rousseff.”

“Álvaro Dias, que desembarca do PSDB, ouviu do PSB que o partido não pode garantir sua candidatura em 2018 em razão desse acordo.”

“A saída de Marina Silva do PSB garantiu ao partido espaço para negociar com o PSDB: ex-ministra de Lula, Marina não engole tucanos”.