FHC: ‘corrupção não é senhora idosa; é uma mocinha’

A realidade, como se sabe, corre o asfalto sem que haja questionamentos da insatisfação do povo brasileiro com o governo. A corrupção entranhada na política, talvez a mais escandalosa dela na Petrobras; trouxe à tona um debate novo e veio acompanhada, primeiramente, da presidenta Dilma Rousseff. “A corrupção é uma senhora idosa no Brasil”, conforme afirmação dela.

Foi esse o mote principal da entrevista da noite passada do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nos estúdios da Globo News. FHC contestou a afirmação de Dilma, ao destacar que “isso (se referindo aos escândalos da Petrobras) é um fato novo. Essa corrupção não é uma senhora idosa, é uma mocinha, um bebê quase”, conforme observação do cacique tucano.

Decerto, essa é a polêmica da semana e deverá ser tema de debate nas rodas de discussões políticas, até porque o momento é propício. A mídia acompanhou atentamente a entrevista do cacique dos tucanos, que considera impossível que o ex-presidente Lula e Dilma não soubessem da proporção que a corrupção ganhou na Petrobras.

No governo tucano, de acordo com FHC, a indicação política para cargos de diretoria na estatal, eram bem mais em incomum. Lembrou de duas indicações políticas feitas por partidos da base: José Coutinho Barbosa e do hoje senador petista Delcídio Amaral, ex-integrante do PMDB.

Sobre o impeachment, Fernando Henrique Cardoso discorreu:

– Esse ‘Fora Dilma’ é como o ‘Fora FHC’. A Dilma hoje simboliza, é alvo dessa irritação. Mas não creio que seja transcrito em passos exatamente para tirá-la do poder. Vai depender da comprovação de delitos e da opinião pública.

A respeito do ato de 15 de março, FHC ressaltou:

– Eu não me amedronto com isso. Em muitos momentos da história, essa irritação é natural, mas não creio que isso vá prosperar pois a sociedade brasileira está bem organizada.” (DP)