Servidores municipais fazem greve fora de época

Como se sabe, as orquestrações políticas nascem sempre um ano antes das campanhas eleitorais. É assim em João Pessoa ou em quaisquer outros grandes centros do País. O momento é de crise, de economia, de apertar o sinto na concepção da palavra. Portanto, como é que as categorias dos servidores municipais começam um movimento para parar os serviços públicos, sabendo que não há a menor possibilidade de fazer negociação salarial. Não é o momento.

No caso dos professores municipais, que estão prejudicando milhares de estudantes e as respectivas famílias, estão em greve e todo mundo sabe o objetivo dos dirigentes do Sindicato, cuja maioria está a quase 30 anos ocupando cargos, sem trabalhar em suas repartições ou unidades de origem; e estão nas ruas para recuperar imagens visando o pleito para escolha dos novos dirigentes.

É uma pena que esteja ocorrendo essa situação, pois o professor da greve deveria estar em sala de aula, cumprindo a obrigação de cada e justificando o salário de pouco mais de R$ 2,5 mil mensais. A propósito, João Pessoa é a segunda capital do Norte/Nordeste a remunerar bem os seus profissionais na área de educação.

Nesta quinta (19), os moradores de João Pessoa se depararam com mais uma paralisação do serviço pública: os servidores da Guarda Municipal, cuja Data Base para o reajuste é o mês de junho. Então, vale a pergunta: a pretexto do que cruzar os braços? A propósito desse assunto, a Prefeitura distribuiu uma nota com o seguinte teor (ler abaixo):

“A Prefeitura de João Pessoa, através da Secretaria de Segurança Urbana e Cidadania (Semusb), lembra que a Data Base para reajuste dos servidores da Guarda Municipal é o mês de junho, mas desde janeiro, ou seja, cinco meses antes, abriu um canal de negociação com a categoria. Lembra ainda que já está programada para abril uma nova rodada de negociação com o sindicato.  

Sobre os fardamentos para os 850 guardas municipais, a PMJP esclarece que já estão licitados e, em até 30 dias, a categoria deverá receber 2,4 mil uniformes e mil coturnos novos. Lembra ainda que todo o efetivo da Guarda já recebeu uniforme e que todas as condições adequadas de trabalho estão asseguradas, conforme a legislação em vigor.”