Outro escândalo: Se for para o TCU, Vital vai relator processo sobre Petrobras

No mínimo curiosa a nota que o jornalista Ricardo Noblat postou em seu blog no site da Globo, onde diz que o senador Vital do Rego (PMDB) ou a ministra Ideli Salvatti, um dos dois, será o indicado do Tribunal de Contas da União para relatar o rumoroso caso do escândalo do “Petrolão”.

Sob o título “Vital ou Ideli: um dos dois será o relator do processo sobre a Petrobras no TCU” é algo que arrepia “cabelo” na cabeça de careca. Mas continue a leitura do texto abaixo:

                                                                                ***

“Confirmadas as previsões do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), o ministro Augusto Nardes, a relatoria dos processos envolvendo a Petrobras cairá nas mãos do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) ou da ministra Ideli Salvatti.

O ministro José Jorge, conhecido por seu posicionamento crítico ao governo petista, está de saída por completar 70 anos, cumprindo uma determinação da lei brasileira. Vital e Ideli são cotados para substituí-lo.

José Jorge acumulava a relatoria dos processos da Petrobras no órgão de controle. Ao blog, Nardes contou que a relatoria tende a ficar com o indicado para a vaga do aposentado.

Diferente de José Jorge, os dois são fiéis escudeiros da presidente Dilma Rousseff. Vital presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito que investigou negócios obscuros do bicheiro Carlinhos Cachoeira com políticos e donos de empreiteiras, que terminou com um relatório final de uma única página, sem pedir o indiciamento de uma única pessoa.

Vital preside agora a comissão de inquérito que investiga a corrupção na Petrobras. Ele faz acordo com membros da oposição para evitar o aprofundamento das investigações. Que contribuição poderá dar no Tribunal de Contas da União sobre o escândalo da Petrobras? Nenhuma, a se levar em consideração sua atuação em CPIs.

Ideli é ministra de Dilma e foi senadora pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Que contribuição poderá dar no Tribunal de Contas da União sobre o escândalo da Petrobras? Nenhuma.”