Uma eleição presidencial muito suspeita; PSDB pede ‘auditoria especial’

Inconformado com o resultado da eleição presidencial de domingo (26) passado, o PSDB encostou sua queixa no Tribunal Superior Eleitoral. Protocolou um documento onde pede uma “auditoria especial” do apertado placar do pleito nacional, que reelegeu a presidente Dilma Rousseff, que prevaleceu sobre o presidenciável e senador Aécio Neves.

O resultado apertado levou os tucanos a tomarem a decisão de buscar o esclarecimento, sob a alegação de que a população exige clareza e o inconformismo geral após conhecido o resultado das urnas das eleições passadas. Como se sabe, há no Brasil 142.822.046 eleitores aptos a votar. No entanto, 112.683.879 foram as urnas no segundo turno.

Desse, ainda, houve 1.921.819 votos em branco e 5.219.787 nulos. Restaram 105.542.273 votos válidos. Pois bem, 54.501.118 (51,64%) foram para Dilma. O rival Aécio conquistou 51.041.155 (48,36%). Ou seja, a reeleita obteve a mais 3.459.963 votos.

Os tucanos escrevem na petição que não impõe em dúvida a lisura da apuração e trabalho da Justiça Eleitoral e, em nota, comentou: “Temos absoluta confiança de que o TSE cumpriu seu papel, garantindo a segurança do processo eleitoral.”

O PSDB age em sintonia com as vozes roucas das ruas, principalmente em decorrência do inconformismo surgido após o resultado das eleições de domingo. Portanto, encontrou o caminho do pedido de “auditoria especial” para esclarecer os eleitores de Aécio.

Questionar é o exercício para esclarecer a turma que levou o pé atrás.