‘Propinoduto’ do PSB segue como antes: sem uma definição

O Ministério Público do Estado está com a “batata fervendo” em suas mãos, precisando dar uma satisfação a sociedade da Paraíba sobre o “caso propinoduto” do PSB, dinheiro apreendido e que seria destinado a auxiliares do Palácio da Redenção. Fala-se na existência de um inquérito, que teria sumido de repente.

O Fórum dos Servidores do Estado, integrado por 34 entidades entre civis e militares, provocou o MPE que deveria ser pronunciar domingo (19). Como não aconteceu dentro do prazo estabelecido pela própria instituição, então a representação do funcionalismo questiona a demora das informações.

Existe uma dúvida, se o governador Ricardo Coutinho (PSB) encaminhou – como ele declarou – ou não, o inquérito até o Ministério Público. O grande mistério é que o fato aconteceu na gestão do então procurador geral Oswaldo Trigueiro do Vale Filho, atualmente desembargador do Tribunal de Justiça.

O caso é referente a uma apreensão, em dinheiro, no valor de R$ 81 mil, que seriam destinados a auxiliares do governo Ricardo Coutinho, além de uma parte ao irmão de RC, Coriolano Coutinho.

O Fórum dos Servidores cobra; a população também.

Atualização –  O Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), na tarde desta segunda-feira (20), encaminhou ao Fórum de Servidores Públicos Civis e Militares do Estado da Paraíba as certidões com as informações solicitadas acerca da existência ou não na instituição de procedimento relacionado ao caso das denúncias de apreensão de dinheiro, no ano de 2011.


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.