Gastança da Granja Santana volta a discussão

Há uma grita que ecoa na Assembleia Legislativa desde o fim do ano passado. Trata do julgamento das contas do atual governo. Refere-se ao exercício financeiro de 2011. O relatório da auditória do TCE aponta 25 irregularidades, ao menos. Entre elas o gasto de quase R$ 1 milhão com a aquisição de 17,4 toneladas de carne e frutos do mar, em apenas seis meses, para a Granja Santana, residência oficial do governador.

Neste exagero de compras, também se inclui gêneros alimentícios com fornecimento de refeições (almoço, brunch, café da manhã, coffee break e jantares). Também, aquisição de artigos de cama, mesa, banho, bebê e decoração, sem licitação, para a família do governador Ricardo Coutinho (PSB). Afora, pagamento de diárias e hospedagem cumulativamente.

Todo esse “escândalo ético” faz parte do relatório da auditoria realizada pelo Tribunal de Contas. São essas algumas das irregularidades que serão julgadas no plenário da Assembleia Legislativa. É certo que não acontecerá neste período da campanha eleitoral. Há uma previsão de ocorrer para depois das eleições, provavelmente antes do recesso parlamentar.

O relatório aponta ainda despesas sem licitação para aquisição de material de consumo para a Granja Santana, no valor de R$ 18.575,73. Foram adquiridos artigos de decoração de banheiro e uso pessoal, no montante de R$ 7.467,30, dentre eles estão sabonete líquido, sais de banho, espuma de banho e papel higiênico Noivinhos.

Outro ponto polêmico diz respeito ao pagamento de diárias e hospedagens, cumulativamente, o que no entender da autoria fere a legislação estadual. Pelo levantamento, os gastos irregulares somaram R$ 16.223,02.