NILDA CHEGOU A SER COGITADA para vice; PMDB deve escolher Vital

Em público, o PMDB não confirma. Mas adiou a indicação do candidato a vice na chapa à reeleição do governador Ricardo Coutinho (PSB), que deverá fazer barba, cabelo e bigode, ao incluir, além do PT, também os peemedebistas em sua coligação para as eleições de outubro. O nome da deputada federal Nilda Gondim foi lembrado, mas foi rejeitado pelo grupo “socialista” presente a uma reunião realizada no começo desta semana na residência da prefeita de Patos, Francisca Motta, no Bairro dos Estados.

Mesmo sendo de outro partido, os peemedebistas escolheram o vice-governador Rômulo Gouveia (PSD), uma sugestão do presidente estadual do PMDB, José Maranhão, quem o governador Ricardo gostaria de tê-lo para ocupar o espaço de senador. Por último, sobrou o nome do senador Vital do Rêgo, irmão do ainda pré-candidato Veneziano Vital.

A propósito de Veneziano, nesta composição com os “socialistas” ganharia o status de candidato do grupo a deputado federal, entrando na vaga de sua mãe Nilda Gondim, o nome sugerido para vice que o PSB rejeitou. E como ficaria a situação de Vital – indicado para vice – se ele é senador?

A estratégia seria ele figurar na chapa, que sendo eleita não assumiria o posto e somente quando Ricardo se desincompatibilizasse para concorrer ao Senado é que Vitalzinho renunciaria o mandato para assumir o governo.

Neste momento, sob o comando de Maranhão e Vitalzinho, o PMDB está reunido para decidir como se dará o anuncio da desistência de sua candidatura própria, faltando cinco dias para o prazo final das convenções partidárias.

Esse é o cenário de agora a pouco.


Descubra mais sobre Marcone Ferreira

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.