PROBLEMA DE RICARDO É A rejeição alta e desejo por mudança

Ainda não foi revelado o quesito rejeição da pesquisa realizada pelo Instituto Souza Lopes, encomendada pelo Sistema Correio. Mas se ocorrer sua divulgação vai-se perceber que o eleitor paraibano anseia mudar o governante por uma razão muito simples: as promessas da campanha passada ficaram pelo caminho e a estabilidade do governo “socialista” se fragilizou diante de uma população exigente por uma segurança, saúde e educação de qualidade,

Beneficiado ainda pela propaganda que o governo instilou nos últimos dias na televisão, mostrando obras que a gestão compilou dos últimos dois antecessores, o governador reeleitoral Ricardo Coutinho (PSB) viu sumir alguns pontinhos do que a pesquisa do mesmo instituto lhe conferiu em abril. Ou seja, passou de 27,4% para 26,6% da consulta veiculada domingo passado.

Para quem sonha em prevalecer na campanha à reeleição é muito pouco, ainda mais para quem fazia uma previsão de chegar no final de maio na casa dos 30%. Seu principal antagonista, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), é que não para de crescer. O teto do tucano passa ser esse da casa dos 40%. O tucano subiu três pontos em relação à pesquisa de abril. Ele obteve 42,9% no levantamento anterior e, agora, apareceu com 45,9% das intenções de voto.

Embora com 10,3%, o pré-candidato Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) tem chances de crescer na hipótese da rejeição do governador continuar em alta. O peemedebista perdeu muito tempo no debate da aliança com o Partido dos Trabalhadores, mas pode recuperar terreno nos próximos dias com os fatos que estão para acontecer. O “V” só encontrou obstáculos neste período da pré-campanha eleitoral.

Agora, o que é fato ninguém pode deixar de reconhecer é a vantagem do provável candidato do Partido da Social da Democracia Brasileira sobre a soma de seus adversários da disputa eleitoral deste ano de nove pontos. O tucano batia as paradas no primeiro turno.

Vale a pena lembrar que no pacote das pesquisas veiculadas até o momento para as eleições paraibanas, a penúltima pesquisa de intenções de voto ficou muito parecida com as já veiculadas até o presente momento, uma evidência de que o governo “socialista” não deu certo é que a Paraíba anseia por mudança.

No momento, o governador Ricardo mora ao lado com um grande problema: a taxa de rejeição. O instituto Souza Lopes ainda não jogou ao meio-fio, também não se sabe a intenção de fazê-lo. Quer dizer: para atenuar aversão que o eleitor paraibano desperta nele, RC precisa vender sonhos novos, porque encher o “Diário Oficial” de nomeações nem sempre dá voto. Ao contrário, provoca mais indignação de quem nunca teve oportunidade de estar entre os beneficiários do D.O, até mesmo dos concursados estaduais.

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.