Contas de 2017 de Ricardo estão contaminadas; pede-se reprovação

O governo do socialista Ricardo Coutinho só era “bom” e “ótimo” na propaganda institucional, aquela virtual paga para enganar à população. Não passava de mentira e a imprensa que imprensa alertava sobre isso desde o período das administrações do ex-governador, também na Prefeitura de João Pessoa.

Até o TCE – Tribunal de Contas do Estado – caiu na lábia do gestor da época, aprovando contas sucessivas. Pois bem, a Corte se depara, agora, com irregularidades inúmeras, a exemplo da não aplicação do mínimo de 12% constitucional na saúde, de 60% índice legal do Fundeb na remuneração do magistério.

As irregularidades foram apontadas pelo procurador-geral do Ministério Público de Contas, Manoel Antônio dos Santos Neto, que opinou pela reprovação do período de 2017 do então governador Ricardo Coutinho, ex-presidiário e apontado como chefe da organização criminosa (orcrim) que desviou recursos da saúde e educação.

Mas o Ministério Público de Contas apresentou outras irregularidades, também graves. Quais sejam: inobservância da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária), persistência de codificados na estrutura administrativa do Estado, republicação irregular de decretos de abertura de créditos, abertura de crédito especial sem autorização legal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.