‘A CULPA NÃO É DA POLÍCIA, É DA FALTA DE POLÍCIA’

A frase foi pronunciada pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB) com repercussão nos corredores do Palácio da Redenção, depois que o governador Ricardo Coutinho (PSB) orientou o secretário Luís Torres (Comunicação) a reagir contra as declarações do também vice-presidente do Senado. O que aguçou o tucano sair em defesa da população é algo em comum nos dias de hoje: a violência crescente na Paraíba.

Basta lembrar que no último final de semana registrou-se nada menos do que 12 assassinatos. Aí Cássio veio à boca do palco, lembrando nos assaltos a bancos com explosões “e incontáveis crimes contra o patrimônio que estão obrigando as pessoas praticamente perder o direito de ir e vir”. Neste aspecto, ninguém tem o que questionar.

Depois, o senador articulou as palavras na frase que resultou no título acima: “A culpa obviamente não é da polícia, é da falta de política”. Em seguida, Cássio justificou: “O efetivo não é, nem de longe, o suficiente para enfrentar esta escalada da violência que deixa o paraibano refém da bandidagem. Falta ao Governo uma ação enérgica…”

“… Na verdade, falta muito mais um plano efetivo de combate à violência que este Governo (Ricardo Coutinho) nunca teve”, ressaltou.

Disse mais: “O governador não enfrenta o problema e tenta passar para a sociedade a impressão que a culpa é da conjuntura nacional, quando, na realidade, os efetivos das policiais militar e civil só diminuíram a partir de 2011, quando ele assumiu”, frisou.

Em seguida, o senador apresentou os números: “Os dados são extremamente claros, se tínhamos 7.300 policiais militares na ativa em 2003, no final de 2008 a Paraíba chegou a 10.130 homens e mulheres na nossa Polícia Militar e na Polícia Civil passamos de 1.021 para 2.136 agentes, um aumento de 109% e que atualmente, 14 anos depois, estamos com menos de 1.400 policiais civis”.

Ou seja, Cássio quis mostrar que contra número não há argumento.