Lígia resiste pacientemente, mas insistem esquecê-la

Paciência não vai faltar a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) na hipótese de uma eventual candidatura à sucessão. Apesar de não ser lembrada – e já foram expostos tantos nomes -, ela acredita que, mais cedo ou mais tarde, será reconhecida.

Não será nenhum desconforto para o governador Ricardo Coutinho (PSB), postulante a vaga de senador ou candidato a concluir o mandato até 31 de dezembro de 2018.

Assessores próximos estranham o esquecimento a despeito do nome de Lígia. Chegam a não se conformar com o momento atual ao perceber que estão surgindo opções dentro do grupo, sem uma conversa ao menos com a vice-governadora, que se mantém fiel ao projeto do governista PSB. Pesquisas indicam boas chances dela.

Já lançaram os deputados Gervásio Maia – presidente da Assembleia -, Buba Germano – quer agora ser chamado por “Rubens” -, Estela Bezerra e o secretário estadual de Recursos Hídricos, João Azevedo. E Lígia segue esquecida pelo grupo do governador Ricardo Coutinho.

Pergunta que não quer calar: o que pode estar acontecendo?

Mais é fácil explicar: colocam ela no microondas, assim como ocorreu com o ex-prefeito Luciano Agra, a própria deputada Estela Bezerra, o próprio secretário João Azevedo e outros.