PDT pegou R$ 4 milhões para entrar na coligação em 2014

O PDT, partido aqui comandado pelo deputado federal Damião Feliciano, pegou R$ 4 milhões em propina para ingressar na coligação da chapa presidencial de Dilma Rousseff/Michel Temer. Descobriu-se, agora, graças ao depoimento, em delação premiada, do ex-diretor da Odebrecht Ambiental, Fernando Cunha Réis, prestado ao ministro Herman Benjamin, paraibano, na ação eleitoral que pede a cassação da chapa.

O processo tramita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e tem como relator o ministro Herman, do Tribunal Superior de Justiça (STJ). A notícia foi veiculada no portal Diário do Poder, que você acompanha mais informações no texto abaixo:

“A audiência com Cunha Reis foi feita no Rio e faz parte do processo que investiga se houve abuso de poder econômico e político por parte da chapa nas últimas eleições. Nesta quarta-feira, 1.º, foi ouvido na mesma ação o executivo e ex-presidente da empreiteira Marcelo Odebrecht. 

Segundo relatos, Cunha Reis detalhou que o pagamento foi feito em quatro parcelas – duas em agosto e o restante em setembro de 2014. O montante teria sido pago em espécie, no escritório do tesoureiro do PDT, Marcelo Panela, localizado no Rio.

Panela atuou como chefe de gabinete do presidente da legenda, Carlos Lupi, quando o dirigente comandou o Ministério do Trabalho, no segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e na primeira gestão de Dilma.”