Antes, reajuste dos ônibus se decidia as escondidas

No passado, inventava-se uma viagem para não assinar a homologação do aumento da passagem dos transportes coletivos de João Pessoa. Deu-se no primeiro governo de Ricardo Coutinho (PSB) a frente da Prefeitura da Capital, quando tinha como vice o também hoje vice-prefeito Manoel Júnior (PMDB). “Eu não atendi e homologuei para um preço menor”, afirma. Tinha sido a “casca de banana” deixada por RC. “Ele ficou furioso”, confessa.

Nesta quinta-feira (19), instado a falar sobre o reajuste das passagens, o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) adiantou que não recebeu a planilha com os estudos da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), cuja proposta fixa novos valor em R$ 3,43. Adiantou apenas que não irá ceder as pressões de quem quer que seja neste sentido. Porém, comentou que pensará no bolso da população:

“Eu só vou me posicionar sobre as passagens quando chegar as planilhas. Vou fazer uma análise técnica e não um debate político. Eu não vou polemizar aumento. Tivemos aumento de água de forma astronômica e não vi esse debate nem essa discussão toda…”

“… Vou tomar a decisão sem pressão nenhuma. Não aceito pressão. Na hora que tiver que definir, vou definir e pensar no povo que é mais importante”, concluiu.

O prefeito toca num assunto importante que foi o aumento de 12% nas tarifas de água pelo Governo do Estado. Ninguém reclamou de nada e o governador Ricardo Coutinho saiu cantarolando: ” Tralalalalá”. Tem sido assim quando é pra mexer no bolso dos paraibanos.