Jornalistas caem na ‘malha fina’ da secretária das Finanças

Alçada ao primeiro escalão do governo do Estado, Amanda Almeida Rodrigues, ex-secretária Executiva do Empreender, hoje secretária das Finanças; conseguiu, em tão pouco tempo, o que nem mesmo o governador Ricardo Coutinho obteve sucesso nas inúmeras oportunidades: constranger, de uma única vez, um grande número de jornalistas da Paraíba.

Trata-se de um instituto batizado de “faça o mal, sem nenhuma distinção e sem ver a quem”. A secretária Amanda, que surgiu do nada, determinou o desconto na folha de pessoal de jornalistas em débito com o governo do Estado, profissionais que contraíram empréstimos a fundo perdido junto a Caixa Econômica. Portanto, sem responsabilidade pelo pagamento do suposto benefício.

Amanda, como se sabe, é subordinada diretamente ao governador Ricardo Coutinho. Ela ordenou a divulgação com os nomes dos jornalistas, caso que disseminou rapidamente nas redes sociais. E aí… Logo ganhou o asfalto de toda a Paraíba. Ela está incumbida de farejar os devedores e constrangeu quem pegou o empréstimo e não vem efetuando o pagamento.

Um dos jornalistas citados na lista dos devedores gravou um áudio, contando como ocorreu a operação intermediada pela Associação Paraibana de Imprensa (API), com o aval de Tibério Limeira e o então vice-governador Rômulo Gouveia (PSD), atualmente deputado federal.

O áudio diz que o ex-vice governador Rômulo teria indicado que os servidores contemplados com o empréstimo, não precisariam pagar a conta no valor de R$ 8 mil, tendo estranhado que, agora, estejam sendo constrangidos com a divulgação de um listão de devedores. Muitos já foram notificados. Outros só deverão saber quando receber o salário.

Estranha-se que o secretário de Comunicação, Luis Torres, nada tenha feito para evitar, ao menos, a divulgação da lista pelo Diário Oficial do Estado. Ou seja, se soube preferiu silenciar-se diante da prestigiada secretária Amanda Rodrigues.

Em nota, ela encarou o problema de frente e esclareceu que o dinheiro do Empreender não é para doações e que todos serão obrigados a pagar.

Abaixo o teor do escrito assinado pela secretária Amanda Rodrigues:

A respeito de alguns poucos e recentes comentários a respeito de procedimentos adotados para cobrança de créditos repassados pelo Empreender Paraíba, gostaríamos apenas de deixar claro que:

 

1 – O Empreender Paraíba é uma linha de crédito para estimular o empreendorismo.  Não é um fundo de doações. É o que diz a lei. O dinheiro retorna para servir a outros empréstimos e, dessa forma, fomentar a economia formal;

 

2 – As cobranças estão descritas em lei e o governo do Estado sob hipótese alguma se omitirá em fazê-las, não havendo distinção ou privilégios entre beneficiados publicamente conhecidos. Pegou o empréstimo, formado por dinheiro público, tem que pagar. E qualquer eventual orientaçao informal num sentido contrário ao descrito não encontra respaldo na lei ou muito menos nas diretrizes do governo. 

 

3– No mais, reafirmamos a importância do Empreender Paraíba para a economia local e renovamos as expectativas para que os débitos existentes sejam quitados em nome do fortalecimento do programa.”