No PDT, o tratamento a Lígia já é de ‘governadora’

Falta pouco mais de um ano para a vice-governador Lígia Feliciano (PDT) assumir a titularidade do cargo, caso a intenção de Ricardo Coutinho (PSB) venha ser concretizada e ele se afaste para concorrer a uma das duas vagas para o Senado nas eleições de 2018. Isto ocorreu quando o “Mago” esteve na Prefeitura de João Pessoa, tendo na ocasião renunciado o seu segundo governo para disputar o governo estadual em 2010.

Lígia parece nem aí para outros problemas políticos e tem feito a sua parte. Primeiramente, esperando pela atitude do governador Ricardo Coutinho e, depois, planejar uma candidatura à reeleição. Quem sabe! A propósito, esse é o caminho que será percorrido a julgar pela movimentação dela nos últimos dias.

Apoio ela tem de sobra do partido em nível nacional. Ela está em Brasília participando de uma reunião com os membros do partido na sede nacional. Lá, Lígia já é tratada assim: “Governadora, sempre muito bem vinda!”. Ou seja, o estimulo que seu partido está começando a dar para ver esse projeto a ser concretizado.

Mas nada disso pode não valer a pena de não combinar com o titular do cargo. O esposo da vice-governadora, o deputado federal Damião Feliciano (PDT) trata o tema com o maior cuidado do mundo. Nunca disse “não” ao chefe do Executivo da Paraíba. Enquanto isso, prospecta o seu futuro político.

Lígia, obvio, foge desse tema como o tinhoso da cruz. Sabe que esse assunto não agrada ao governador. Então, é melhor deixa-lo decidir. Os “Feliciano” estão pisando em ovos.

Os pedetistas estão naquela: espalhem essa informação, que ela é boa.