Os incômodos da oposição com as finanças da Capital

É absolutamente normal quando a oposição vem à boca do palco para criticar a gestão do prefeito Luciano Cartaxo (PSD), principalmente quando foca as obras da Beira Rio, que, ao contrário do que afirmam, não estão paralisadas. No entanto, nenhum aliado do governo municipal observou que o projeto de reforma do Teatro Santa Roza está prestes a completar o quarto aniversário.

 

Mas as criticas decorrem porque a oposição incomoda-se ao ver as financeiras da Prefeitura organizadas, apesar da crise financeira que atinge diversos municípios brasileiros, até o Estado da Paraíba. Além dos recursos da repatriação, que devem estar caindo nos cofres do Município nos próximos dias, surgiu uma boa notícia nesta terça-feira (22), agradável por assim dizer: a multa com a transferência dos recursos do exterior na ordem de R$ 22 milhões.

 

Foi uma vitória a partir de uma decisão do Tribunal Regional Federal, da 5ª Região, que deferiu o pedido ingressado pela Procuradoria do Município, que determinou que a cidade receba o valor referente a referida multa da Lei da Repatriação. A propósito, uma luta do deputado federal Manoel Júnior (PMDB), futuro vice prefeito de João Pessoa.

 

O prefeito Luciano Cartaxo (PSD) já ordenou que os recursos sejam investidos em obras de infraestrutura, educação infantil e saúde.

 

“Como foi um depósito antecipado, uma decisão judicial, o prefeito irá esperar os recursos entrarem na conta para poder fazer o planejamento de onde utilizar o dinheiro. Mas é certo que ele priorizará obras na infraestrutura, educação infantil e saúde”, declarou o secretário de Comunicação de João Pessoa, Josival Pereira.

 

Ou seja, enquanto uns torcem para o quanto pior melhor, outros comemoram junto com a gestão Cartaxo.