Cássio critica o boicote do governo a visita do ministro

Diz-se o seguinte: na política, como no futebol, os times criam torcidas fortes, que crescem numa proporção pela capacidade do time vencer. Aí, gera-se a felicidade. Sob o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), licenciado, cria-se a impressão que no governo Michel Temer a Paraíba vai ter a atenção que os paraibanos merecem.

Basta lembrar que a visita do ministro das Cidades, Bruno Araújo, na manhã desta segunda-feira (31), o governo estadual se apequenou diante um time mais forte, com várias estrelas no peito e um PIB eleitoral invejável, do tamanho da proporção do evento, uma construção do Viaduto do Geisel para melhorar a mobilidade urbana naquela área da cidade.

Ninguém do governo compareceu para acompanhar o ministro das Cidades na visita-inspeção ao Viaduto do Geisel, que receberá, futuramente, o nome “Governador Eduardo Campos”. O senador Cássio achou um desrespeito, apontando que o governador adotou uma “prática patrimonialista”, quando não agradece o governo federal a liberação dos recursos.

Em entrevista, Cássio disse que não entrará neste “joguete político” e pontuou: “É lamentável essa postura de atraso político, que acha que a obra pública tem dono. Não adianta querer dizer que o tributo é federal, estadual ou municipal porque é o imposto que a sociedade paga…”

“… Tem pessoas que sabem pedir, mas não sabem agradecer. Ele (Ricardo Coutinho) soube pedir recursos ao governo federal, que cedeu recursos importantes para a conclusão da obra…”

“… É uma postura atrasada, um comportamento atrasado que não contribui para o engrandecimento da Paraíba”, comentou.

Adiante, o senador tucano destacou: “Estamos aqui para trabalhar e trazer mais recursos e não vamos entrar nesse joguete de quem tem postura atrasada e não contribui para o desenvolvimento do Estado”.

Aspectos a ser levado em consideração, informado durante o evento desta manhã: O tesouro estadual entrou apenas com 10% da obra do viaduto. O restante são de recursos do BNDES e do governo federal.