Coligação vítima de armação de supostos adversários

Desconhecidos em um veículo Corola, cor preta e placas do Amazonas, roubaram nesta quinta-feira (29) do aeroporto de Patos, o material de campanha da Coligação “Pra Seguir em Frente”, que denunciou o fato através de uma nota distribuída com a imprensa. A vítima, o piloto do helicóptero, transportava os panfletos do candidato à reeleição Gemilton Souza (PSB) e levaram todo o material gráfico, incluindo nota fiscal e documentos pessoais do jornalista Heron Cid, contratado como consultor de comunicação da Coligação.

Os ladrões forjaram noticiais de que se tratava de uma operação da Polícia Federal que teria apreendido material ilegal de campanha. Os panfletos, é bom lembrar, possuem nota fiscal e constante de CNPJ.  Os coordenadores da coligação observaram, ainda, que “não utilizamos práticas de distribuição de panfletos apócrifos, pois não concordamos com esse tipo de expediente”, ressalta.

A coligação registrou a ocorrência, bem como a simulação de uma operação da Polícia Federal e espera que os culpados sejam devidamente punidos. Chamou a atenção também os boatos que circularam nos grupos de WhatsApp da campanha do candidato Jarques Lúcio II (DEM). Logo após o roubo, limitantes já espalhavam a notícia da falsa operação da PF e de uma suposta apreensão do material, antes mesmo de tomar conhecimento do roubo dos panfletos.

Estranha-se, portanto, que havia uma operação arquitetada, sobretudo a coincidência do roubo e a imediata divulgação do fato nos grupos de WhatsApp. Pareceu algo muito bem arquitetado. Nos últimos dias, presencia-se em São Bento atos de violência, perseguição, ameaças e até tentativas de calar o povo e a imprensa. Lá, funciona a lei da mordaça.

A nota da coligação encerra: “Não podemos permitir que essas práticas tão características da velha política se instalem na nossa cidade. Não merecemos esse retrocesso. Por fim, reafirmamos a nossa confiança na polícia e na Justiça. Vamos seguir em frente”.