Para que serve a opinião de Santiago se ele fez o mesmo

Com o PSDB nem tanto, mas com o PMDB o ex-deputado federal Wilson Santiago parece guardar magoas, ressentimentos… até os dias atuais. Dono de um partido, o PTB, ele já garantiu não fechar as portas para entendimentos com ninguém, embora considere a aliança do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) com os peemedebistas e tucanos “muito poluída”. Até aí, tudo bem! É apenas uma opinião.

O PTB dele vai estar na disputa sucessória de João Pessoa representado pelo deputado federal Wilson Filho. Talvez, uma jogada de marketing para garantir ao pré-candidato a visibilidade suficiente para os futuros embates eleitorais na Paraíba. Voltando ao caso da “aliança muito poluída”, Santiago, o pai, disse que o gestor pessoense reuniu os tradicionais inimigos da política estadual.

Jogou no asfalto o que considera sem, no entanto, lembrar que na campanha passada se uniu com o então adversário e senador Cássio Cunha Lima, com quem formou a chapa majoritária na disputa pelo governo e Senado da República. A política empolga por isso. De repente, esquece-se do passado e não olha para o próprio umbigo.

Como se sabe, Wilson Santiago ocupou a vaga de senador no lugar de Cássio Cunha Lima, com quem disputou a vaga na campanha de 2010. Perdeu o posto na batalha judicial, também o mandato parlamentar, devolvendo-o ao tucano. Na eleição seguinte, lá estava Santiago grudado com Cássio tentando se eleger senador.

A incoerência, como observado, não demorou muito e sobre a aliança PSD/PMDB/PSDB afirmou: “Essa é a junção dos tradicionais inimigos da Paraíba. Essa coligação está muito poluída, pois ninguém entende o que cada um fala lá”. Verdade mesmo apenas a versão exposta de que a pré-candidatura do filho está mantida. “Aqui, não há desistência”.