Cássio se solidariza com Gleisi por prisão do esposo dela

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) se solidarizou com sua colega de parlamento Gleisi Hoffmann (PT-PR). Ela teve apartamento “virado de cabeça para baixo” nesta quinta-feira (23), ocasião da prisão do seu marido Paulo Bernardo, ministro dos governos de Lula e Dilma Rousseff. A prisão ocorreu em decorrência da operação da Polícia Federal batizada de “Custo Brasil”, um braço da Lava Jato.

Aconteceu sem autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), conforme lembrou o senador Cássio, líder da bancada dos tucanos. O político paraibano considerou de “abuso” a ação da Polícia Federal, ainda em se tratando de ordem de um juiz de primeira instância.

Cássio  disse que “um juiz de primeiro grau não tem autorização para busca e apreensão no apartamento funcional de uma senadora. Só quem poderia autorizar essa ação era o Supremo”, comentou ao lembrar foro privilegiado da senadora petista. Chegou a cobrar um posicionamento dos petistas, tendo citado o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), paraibano.

Adiante, o tucano ainda destacou: “É um constrangimento. Por mais que o embate político seja duro, há uma família por trás disso. Não há motivo para tripudiar, não tenho razão para soltar fogos pela prisão de ninguém. Há um limite de embate político e de respeito à pessoa humana”.