CPI da Telefonia vai propor a Polícia Federal operação ‘Alô’

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Telefonia começou a percorrer outros caminhos para enquadrar as empresas, rastreando os métodos usados na prática de suposto crime de sonegação fiscal. Nesta sexta-feira (17), a comissão está atuando sob a presidência do deputado João Gonçalves (PDT), que revelou impaciência das milhares reclamações recebidas de usuários.

A título de colaboração, a CPI recebeu a informação de dois delegados da Polícia Civil do Piauí, profissionais que atuaram em investigações realizadas naquele estado. “Não vamos parar, pois é necessário dar uma resposta aos usuários de telefonia móvel”. Fala-se até em prisão dos proprietários das empresas.

Segundo um dos delegados piauiense, a grande dificuldade é a legislação em vigor, que dificulta a investigação aprofundada sobre o provável ilícito. Já tem informação que as empresas arrecadam mais de R$ 220 bilhões e, mesmo assim, causam sérios danos a população.

Surgia a ideia de provocar a Procuradoria-Geral da República trabalhar na investigação em conjunto com a Polícia Federal, inclusive com uma operação que pode ser batizada de “Alô”. Os deputados paraibanos se propõem a colaborar, pois já tem elementos por onde começar todos o trabalho de apuração do possível ilícito.